Voluntariado

Seja um voluntário!

PERFIL DO VOLUNTÁRIO

 Ser voluntário é ter no coração o dom do amor e da solidariedade. É ter a consciência de que se está prestando um serviço à sociedade, impulsionado não somente por um sentimento de caridade, mas pela convicção de se estar cumprindo um dever imposto pela alma. Este dever íntimo exige um grande senso de responsabilidade, que se traduz na designada, porque, por mais simples e sem importância que pareçam ser, são indispensáveis ao bom funcionamento da Instituição. É sentir prazer e felicidade em contribuir de alguma forma.
 A pessoa que se dispõe a realizar tal trabalho, deve ser movida por um chamamento interior e não por um apelo emocional, momentâneo e passageiro. Nosso amadurecimento como seres humanos, muitas vezes, é conseqüência das adversidades trazidas pela vida, mas esses percalços devem estar completamente resolvidos ao abraçarmos uma causa, já que o equilíbrio de nossas emoções é uma condição essencial ao bom desempenho dessas funções. Da mesma forma, devemos viver com intensidade todas as experiências referentes ao nosso trabalho sem transferi-las para nossa vida particular.
 Outro aspecto importante a ser considerado diz respeito à hierarquia, que deve ser seguida e respeitada, não pelo poder em si, mas pelo exercício das funções necessárias à Instituição e onde há uma rotatividade nas responsabilidades adquiridas, o que implica em se ter o despojamento necessário para não se apegar a essas funções ou à autoridade que eventualmente a posição ocupada possa trazer.
 O voluntário deve procurar vivenciar a APAE em sua totalidade, participando de todos os setores e obedecendo a todas as regras estabelecidas. Nessa nova experiência, deve ter desprendimento para tolerar aborrecimentos, pois, como em qualquer trabalho, o convívio com o ser humano e suas diferenças de personalidade e opinião, requer diplomacia, discrição e equilíbrio.
 Devemos entender a importância do trabalho em equipe e da união de esforços enquanto grupo, favorecendo o espírito de conjunto, abolindo qualquer tipo de destaque individual ou “estrelismo”.
 O voluntário deve estar sempre atento as necessidades da Instituição, aproveitando todas as oportunidades, que porventura surjam, no sentido de lhe trazer benefícios.
 O voluntário dá o seu tempo, o seu esforço e o seu interesse pessoal a uma obra social, visando o bem comum. Seu trabalho é supletivo, pois complementa o trabalho profissional.
 Filiando-se a uma Associação o voluntário passa a ser membro desse grupo interessado no cuidado e na educação dos assistidos.
 Apesar de sua contribuição não ser profissional, é de valor inestimável, pois traz o mais importante: o amor e a dedicação ao próximo.
 Ao se dispor a executar uma tarefa, ele se conscientiza de sua responsabilidade e do comprometimento que esse trabalho exige, dando especial atenção à persistência, a pontualidade e as boas qualidades de sua execução.
 O entusiasmo e a alegria são também características fundamentais ao voluntário, que deve sentir orgulho do uniforme que veste.
 Finalizando, ser voluntário é um privilegio de poucos, porque o beneficio maior é para nós mesmos, pois a alegria e o amor, que nos levam a ser úteis a alguém, são a maior recompensa que poderíamos desejar, privilegio esse que não escolhe raças, credos ou posições sociais, mas pressupõe que tenhamos o coração aberto a compartilhar, a mente pronta a discernir e as mãos dispostas a trabalhar.

ATRIBUIÇÕES DO VOLUNTÁRIO

 Prestar serviços voluntários não é uma atitude casual. É uma responsabilidade que requer condições básicas:

- Oferecer, do tempo que realmente dispõe, dias e horas certas;
- Ter interesse real em ser útil;
- Assumir a tarefa que lhe for atribuída;
- Empenhar-se ao máximo em se capacitar para o trabalho que lhe for designado;
- Manter-se discreto, servir com boa vontade e simplicidade, lembrando-se sempre que faz parte de uma associação, cujo renome poderá ser ofendido por atitudes menos recomendáveis;
- Respeitar os estatutos que regem a entidade a que se filiou;
- Guardar sigilo profissional, fazendo dessa uma regra de ouro;
- Respeitar a assiduidade como condição indispensável ao trabalho voluntário;
- Dentro de sua atividade o voluntário deve ter sempre em mente a possibilidade da promoção humana do paciente;
- Com parecer à Associação sempre com crachá de identificação;
- Assinar o livro comum à todos os voluntários (na recepção);
- Manter cadastro atualizado junto a Comissão Especial;
- Ler sempre com atenção os avisos existentes no seu setor e na APAE;
- Ser prestativo no que for solicitado;
- Receber a incumbência de atribuições especificas diretamente do responsável pelo setor;
- Cumprir normas e rotinas da APAE;
- Comparecer as reuniões para as quais for convocado;
- Desempenhar com zelo e presteza as tarefas que lhe forem atribuídas;
- Guardar sigilo sobre o tratamento do aluno quando dele tomar conhecimento;
- Respeitar os alunos em seus problemas psíquicos e sociais
- Zelar pelo material da APAE sob sua responsabilidade, evitando o desperdício;
- Ser assíduo e pontual;
- Tratar com respeito seus companheiros de trabalho, bem como os funcionários da APAE.
- O acompanhamento de alunos a setores públicos ou qualquer evento, somente deverá ser feito com prévia autorização do responsável pelo setor;
- Em caso de necessidade de falta ou ausência, comunicar com antecedência ao Serviço Social, ou a Comissão Especial, para que seja providenciada uma substituta;
- Freqüentar os cursos, especialmente os destinados ao Corpo de Voluntários da APAE, dos quais terão conhecimento expresso com antecedência;
- Nos meses de janeiro e julho a Comissão Especial juntamente com o responsável pelo setor poderá determinar plantões nos setores ou unidades, quando necessário;
- A voluntária que tiver parente em qualquer grau, assistido pela APAE não poderá prestar seus serviços gratuitos, no setor e ou unidade que o mesmo esteja freqüentando;
- Fazer plantões extras, dentro de suas possibilidades em ocasiões especiais tais como Semana Nacional do Excepcional, Comemorações em geral e demais eventos extraordinários, sempre comunicados com a necessária antecedência.

RESTRIÇÕES

Ao voluntário é vedado:

- Dar informações a Imprensa falada ou inscrita, a qualquer pessoa ou órgão estranho a APAE de fatos ou acontecimentos referentes ao aluno ou a Instituição de modo geral, a não ser com prévio consentimento da Diretoria, mediante autorização por escrito;
- Solicitar a ajuda financeira ou em espécie para outra entidade dentro do recinto da APAE;
- Dirigir-se à Diretoria da APAE sem consentimento do responsável pelo setor ou Comissão Especial;
- Entreter-se durante as horas de trabalho, com atividades estranhas ao serviço e permanecer em setores diferentes ao qual foi designado;
- Responder a perguntas de caráter profissional cuja responsabilidade cabe exclusivamente ao responsável pelo setor;
- Divulgar e comentar diagnósticos;
- Manifestar-se em qualquer situação desagradável que surgir entre quaisquer pessoas do setor, técnicos ou funcionários da APAE.
- Distribuir balas ou comestíveis aos alunos;
- Fazer doações pessoais e diretas aos alunos ou familiares sem participação do Serviço Social;
- Não conversar com o aluno sobre sua deficiência, não o aconselhar sobre o tratamento ou terapia que lhe foi indicado, bem como não dar parecer aos familiares.

RECRUTAMENTO E SUPERVISÃO

- O recrutamento será feito através do Serviço Social com acompanhamento da Comissão Especial;
- Compete a cada setor da APAE a formação e treinamento, bem como a supervisão e a avaliação do trabalho específico de cada voluntário;
- As avaliações deverão ser acompanhadas pela Comissão Especial e pelo Serviço Social;
- O encaminhamento do voluntário aos setores deverá ser feito a partir da área de interesse e necessidade da entidade que será avaliado pelo Serviço Social;
- Para admissão do voluntário é necessário o preenchimento da ficha cadastral;
- Em caso do não cumprimento das Normas acima estabelecidas, a Comissão Especial juntamente com o Serviço social, terá autoridade até para exclusão do voluntário.

COMPETÊNCIA DA COORDENAÇÃO DE VOLUNTÁRIOS

 Reunir-se com o coordenador do setor e ou unidade onde atua, com o objetivo de conhecer o programa onde estão inseridos os voluntários, para preparar cronograma de eventos, organizar horários e distribuir funções.
 Manter atualizado o quadro de horário e as listagens dos voluntários juntamente com o Serviço Social.
 Comparecer as reuniões a qual for convocado.
 Elaborar suas normas e promover a realização dos fins a que se destina o corpo de voluntários.
 Fazer as indicações de voluntários respeitando o Regimento Interno do grupo, art. 15.
 Estar sempre atualizada com a programação da APAE, seus Estatutos Sociais, Boletim Informativo, Relatório, acompanhamento com interesse os serviços prestados pela entidade.
 Acompanhar e dirigir os serviços dos voluntários, através de cada setor.
 Representar o Corpo de Voluntários da APAE, nas ocasiões necessárias.
 Elaborar relatório anual de atividades dos voluntários e apresentá-lo à Diretoria da APAE.
 Compete a Comissão Especial de Voluntários, cumprir e fazer cumprir as normas gerais contidas na APAE.

A APAE conta com o serviço de voluntários nos seguintes centros:

CPP - Centro Psicopedagógico

CINET - Centro Integrado de Educação para o Trabalho

CEDE - Centro de Estimulação do Desenvolvimento Global

CAM - Centro Atendimento Ambulatorial

____________________________________________________________________________________________

A todos os interessados a ingressarem um trabalho voluntário na APAE de Bom Jesus do Itabapoana-RJ pedimos que o mesmo, preencha o formulário e o entregue na administração da Instituição, para que possa ter início as atividades.